Problemas musculares afetam rendimento dos equinos e podem causar prejuízos aos criadores

 Os equinos desempenham atividades variadas, podendo ser de trabalho em propriedades rurais ou como atletas em diversas competições. Como consequência, podem desenvolver diversas afecções musculoesqueléticas. Os quadros mais comuns incluem lesões musculares, distensões, entorses e até mesmo condições mais graves, como miosite e laminite", explica o médico-veterinário Fernando Santos, gerente de vendas de grandes animais da Syntec do Brasil.

Fernando explica que "as lesões musculares podem ocorrer durante exercícios intensos, treinamento inadequado ou atividades repetitivas. A artrite e osteoartrite são comuns, podendo ter como consequência a degeneração das articulações devido ao envelhecimento, lesões ou inflamação. Essas afecções podem causar dor, claudicação e limitações no desempenho do cavalo."

As afecções musculoesqueléticas são variadas e na maioria das vezes multifatoriais, mas algo bastante comum entre elas é o sinal clínico da dor. Por isso é de extrema importância que o diagnóstico seja feito o quanto antes, para o correto tratamento do animal e investigação da possível causa da doença.

Os principais sinais clínicos podem variar dependendo da natureza e da gravidade da condição. “Claudicação, rigidez muscular, atrofia muscular, dor à palpação, inchaço, alterações no padrão de movimento e comportamento alterado, são alguns sinais que o animal pode apresentar”, alerta o médico-veterinário.

Lesões desta natureza estão entre as principais causas de perdas econômicas no ramo dos equinos atletas. Esses animais estão sempre submetidos a desempenhar o máximo de sua capacidade nos treinos e competições, e essa exigência exercida sobre suas fibras musculares tende a causar lesões que acabam os afastando da atividade.

O tratamento adequado, além de ser essencial para sua recuperação rápida, também evita o risco de sequelas, e pode possibilitar que o animal volte a desempenhar suas atividades normalmente. Para o diagnóstico, é importante consultar um veterinário especializado para realizar uma avaliação clínica, que inclui histórico médico, exame físico, palpação muscular, testes de flexão, radiografias, ultrassonografia e, em alguns casos, ressonância magnética. A combinação dessas ferramentas ajuda a identificar a causa subjacente da afecção musculoesquelético para o plano de tratamento correto", finaliza o médico-veterinário.

Para auxiliar os criadores na prevenção de problemas musculares nos equinos, a Syntec do Brasil disponibiliza Maxitec Injetável, anti-inflamatório não esteroide à base de Meloxicam 3%. Considerado inibidor seletivo da ciclo-oxigenase, bloqueia a biossíntese das prostaglandinas e, consequentemente, a liberação dos mediadores inflamatórios. Maxitec possui também propriedades antipirética e analgésica, sendo indicado para o tratamento da inflamação aguda, febre e dor associadas às injúrias musculoesqueléticas, teciduais ou viscerais.

Sobre a Syntec – A Syntec é uma indústria de produtos para saúde animal 100% brasileira com 20 anos de história e foco em medicamentos e suplementos veterinários de alta complexidade. Seu portfólio é amplo, incluindo terapêuticos, especialidades, produtos para higiene e saúde, suplementos e, agora, vacinas animais. Para mais informações acesse: www.syntec.com.br



Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem