Importantes aliados aos homens, os cavalos possuem características fascinantes. Confira!

 

Há milhares de anos, a relação entre os cavalos e os seres humanos vem evoluindo e se fortalecendo constantemente. Entre 3 mil e 4 mil anos a.C. já há relatos sobre cavalos serem aliados nas guerras, e hoje são aliados até mesmo em algumas terapias, como terapias assistidas e reabilitações.

“Esses animais foram peças fundamentais na história, utilizados como um dos primeiros modos de transporte pelos humanos. Eles merecem todo o cuidado e atenção necessária. É fundamental sempre reforçar a importância de um bom manejo e de medidas de prevenção a lesões e enfermidades que possam vir a sofrer, tendo em vista que hoje atuam como grandes estrelas em esportes, além de serem essenciais aliados na vida no campo”, destaca Maria Amélia Salviano, Gerente de Marketing Equinos na Vetnil, uma das empresas líderes em medicamentos e suplementos para equinos no Brasil. 

Para difundir ainda mais o conhecimento sobre os cavalos, a Vetnil, instituição que preza pela saúde animal e melhoria contínua de cada um dos elos do mercado equestre, lista algumas curiosidades sobre as particularidades fisiológicas desses animais. Confira! 

Sistema digestório 

Apesar de ser um animal grande, os equinos possuem estômago relativamente pequeno (com capacidade variável de 8 a 15 litros) e, quando criados soltos à pasto, podem passar de 12 a 20 horas por dia se alimentando em pequenas porções de alimentos volumosos, como capim e gramíneas.  

Além disso, esses animais não possuem a capacidade de vomitar, o que facilita a dilatação gástrica e pode predispor a algumas enfermidades no trato gastrointestinal. Isso ocorre, devido a uma limitação anatômica na região do esfíncter cárdico (entrada do estômago):a estrutura possui uma musculatura bem espessa e desenvolvida e isso, associado à entrada oblíqua do esôfago, está relacionado à incapacidade do cavalo de eructar e vomitar. Outro aspecto importante é o fato de os cavalos não possuírem o centro do vômito bem desenvolvido, no sistema nervoso central, responsável pelos impulsos e comandos do ato.

Mais uma característica interessante dos equinos é que as alças intestinais somam quase 30 metros de comprimento, distribuídas de forma ordenada na cavidade abdominal. Os equinos possuem grande sensibilidade e diversas particularidades ao longo do aparelho digestivo. Dessa forma, conhecer a anatomia e a função desse sistema facilita o entendimento e auxilia principalmente em relação ao manejo e às doenças que se desenvolvem, como as síndromes cólicas. 

Cabeça 

Graças à posição lateral dos olhos, cavalos possuem campo de visão periférico, sendo capazes de identificar possíveis ameaças facilmente. A posição lateralizada limita a visão binocular, diminuindo o senso de profundidade do animal. Outro ponto importante é a excelente acuidade visual no escuro, tornando-os capazes de reconhecer formas e captar imagens mesmo em locais com baixa luminosidade.

As vibrissas (pelos táteis presentes ao redor dos lábios) permitem que os cavalos sintam o que está imediatamente à frente, sendo importantes auxiliares da área sensorial e atuam como órgãos táteis capazes de guiá-los, “compensando” a falta de visão frontal. Assim, auxiliam a explorar o entorno, contribuindo para captação de alimentos, investigação de objetos, possíveis ameaças e contato social com pessoas e outros animais. 

A respiração dos equinos é obrigatoriamente nasal, devido à anatomia do sistema respiratório. A orofaringe e a nasofaringe são totalmente separadas pelo pala


Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem