Primeiro título de doutorado profissional em enfermagem pela UNESP é conquistado por gerente do IMED

 Janaína
Cristina defendeu tese de doutorado sobre protocolo de monitoramento de
pacientes pós-alta com Covid-19




O
monitoramento de pacientes que receberam alta, após terem contraído o Covid-19,
foi algo que sempre chamou a atenção de Janaína Santos, gerente de projetos do
Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento (IMED). Durante 90 dias, ela
monitorou mais de 300 pacientes, na intenção de criar um protocolo que ajudasse
tanto as organizações de atenção básica à saúde, como um acompanhamento capaz
de melhorar o quadro clínico desses pacientes. 
Tanto que o assunto foi tema de sua tese de Doutorado aprovada, esta
semana, se tornando a primeira doutora profissional em Enfermagem pela
Universidade Estadual de São Paulo (Unesp).



Janaína
Cristina Celestino Santos possui 15 anos de trajetória profissional na
enfermagem e atua na gestão de projetos no PMO (Project Management Office) do
IMED, com foco na integração perfeita dos projetos com as operações diárias. A
tese de doutorado foi o desenvolvimento, validação e implementação de um
protocolo de monitoramento de pacientes pós-alta com Covid-19 com o objetivo de
integrar o serviço de referência a atendimentos à Covid-19 com a atenção
básica, através do desenvolvimento de uma plataforma digital.



O
trabalho que monitorou 302 pacientes visou integrar os serviços de referência
para atendimento a pacientes com COVID-19 com a atenção básica, por meio da
criação de uma plataforma digital inovadora que promove a integração com a rede
de saúde, garantindo que a alta dos pacientes ocorresse de forma mais segura e
que as unidades básicas pudessem se integrar ao hospital com o uso da
telemedicina e telessaúde. Seu estudo incluiu a validação de um instrumento de
alta, acompanhamento abrangente do processo de alta dos pacientes e monitoramento
de sua evolução clínica por um período de 90 dias através de ligações
telefônicas quinzenais. Durante essa jornada, foram identificados grupos de
risco e avaliadas as taxas de reinternação dos pacientes do hospital.



Sob
orientação da doutora Érika Veruska Paiva Ortolan, diretora médica do IMED, a
tese apresentou ótimos resultados, visto que com a implementação da plataforma
digital que integra a atenção primária e serviços secundários, Janaína e sua
equipe obtiveram resultados surpreendentes, com taxas de reinternação
inferiores às encontradas em estudos similares realizados no Brasil e na
Itália. A experiência e excelência na formação acadêmica promovem ao IMED uma
melhoria contínua da qualidade do atendimento, além de aprimorar a experiência dos
pacientes.



Segundo
Janaína, o trabalho em conjunto com equipes multidisciplinares garante que os
projetos sejam implementados de maneira eficiente, dentro dos prazos e
orçamentos estabelecidos, e que tragam melhorias significativas para a
prestação de serviços de saúde. “Com base em minha trajetória profissional e no
meu doutorado em enfermagem, pretendo aplicar práticas avançadas de gestão de
projetos, utilizar conhecimentos baseados em evidências e promover a inovação
para impulsionar o crescimento e o sucesso da instituição”, afirma a mais nova doutora.



 



Assessoria
de Comunicação do Imed



Isabela Maione
– isabela.maione@ecco.inf.br

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem